sexta-feira, 8 de junho de 2012

Uma fotografia literária.

Cozinha de habitação cinfanense, 2012. (C) Nuno Resende
Um só aposento, acanhado e imundo, frio como um in pace, e que a noite parece ter forrado todo com pedaços do treva. O sobrado, de largas tábuas de castanho, repelindo-se hostilmente, é mole, e falso como o lodo. Cobrem as tábuas espessíssimos estratos de um mixto singular de poeira, lama, água e detritos orgânicos, escorregadio e pérfido, todo orografado em saliências altas como serras, em abismos gretados e torvos, lembrando o revolto planisfério da lua... aqui áspero como lixa, além untuoso como o talco, acolá instável como um pântano, ali duro e polido como a lousa... mais difícil certamente de pisar sem risco iminente de queda do que esses pavimentos axaroados dos salões aristocráticos de Yeddo.
E um dos laços mais perigosos armados pelo serrano contra o habitante da cidade, o sobrado do seu casebre. A bota nada pode com ele; só o amplo tamanco ferrado é capaz de o dominar.
Pois tinha destas cordilheiras gordurosas a nossa casa de Aveloso. A direita da porta de entrada acumulavam-se em desordem uma cadeira de pau, um escabelo, um ancinho desdentado, três enormes chocalhos de cobre para gado, e uma foice roçadoira; de encontro à parede contígua, duas enormes arcas de carvalho, altas como homens e amplas como toneis, cambadas e ciclópicas, com os braços das fechaduras pendentes como orelhas de um velho quadrúpede estropiado, guardavam religiosamente, de séculos, as colheitas anuais da batata e do centeio; na parede seguinte, frente à porta, dois exíguos beliches, à ilharga um do outro, separados da sala por uns fumados tabiques de pinho, alojavam dois catres asquerosos, verdadeiro asilo da porcaria, conúbio inviolável de mil coisas esfarrapadas, gordas e repugnantes, que a luz nunca ousara tocar, e cujo só aspecto despertava visões aterradores de intoleráveis suplícios de sucção; depois, ao terceiro muro, o da esquerda, encostava a lareira, flanqueada por dois longos bancos de pinho, ressequidos e hirtos como troncos de árvores de floresta por onde tivesse lavrado um incêndio. A esquerda da porta, uma mesa cambaleante sustentava loiças de barro vidrado ou negro, de formas rudimentares; do tecto fuliginoso, deixando ver o reverso das telhas, pendem dois presuntos e algumas peças de fumeiro; e o forno a um ângulo da casa, e a gamela do pão junto à muralha, e a dobadoira ali ao meio, e uma prateleira pejada de pequeninos queijos, e os panos de serguilha, e as mantas de lã, e os promontórios da boroa, e os cajados, e a grande talha de barro com o azeite, e a panela com as cinzas, e a caixa dos ovos, e a do sal, e muitos outros miúdos objectos matizando e atravacando aquele recinto lôbrego e desconfortável, dando-lhe a fisionomia própria, o tom particular.
E havia ainda, lutuosamente pesando por toda a parte, essa côr fumada e mortal que nas longas veladas de inverno vai assentando a combustão incompleta e lenta dos enormes brasidos da lareira.

Abel Botelo, Mulheres da Beira, da Colecção Lusitânia. Sobre Abel Botelho ver o que escrevemos aqui.

Speech by ReadSpeaker