sábado, 19 de março de 2011

Breve história da ermida de São Pedro do Campo


S. Pedro Primeiro Chefe da Igreja / ROGAI POR NÓS / Tendais - Cinfães; 31,5x21,9 cm, processo litográfico sobre papel c. 1980?.

«Num extenso planalto deserto e inóspito, onde aqui e acolá crescem tojos e fetos surge surpreendente e em dias de nevoeiro como que nas próprias nuvens a Capela de S. Pedro do Campo. § Junto à capela encontramos pedras antigas, mamoas que eram locais sagrados e tumulares de sociedades e cultos pré-históricos. § Sabemos que a memória do sagrado perdura e se converte, sabemos que Pedro em aramaico significa "pedra", "rocha". § Temos pois aqui, neste entorno, em redor da capela, um espaço sagrado que perdurou no tempo e que hoje é anualmente motivo de romaria. § Da origem da capela não temos registos mas sabemos que no início do século XVIII já aqui, por onde passava uma estrada medieval, se realizava a feira da freguesia de Tendais, e é verosímil que nessa altura a capela já existisse. § Devido à pureza dos seus ares serviu este local também para tratar a tuberculose, sendo que a casa junto à capela, construção do século XIX pode ter servido pata abrigo de doentes ou de passantes ocasionais, para além do apoio do culto. § No vento sopram muitas histórias por este campo, das gentes que o percorreram que aqui enterraram os seus mortos, adoraram os seus deuses, fizeram e desfizeram os seus negócios e onde até hoje S. Pedro, no dia 29 de Junho, é celebrado.»

Este texto pode ler-se num expositor colocado um pouco abaixo da ermida de São Pedro do Campo, na freguesia de Tendais, concelho de Cinfães. Como tem sido apanágio, de Cinfães e de outros municípios do país, a promoção turística é preparada através da colagem de chavões recolhidos em obras de publicistas e monógrafos locais pouco preparados para a interpretação de documentos e para análise histórica. Em vez de um trabalho criterioso de inventário e estudo do património por especialistas (Historiadores, Arqueólogos, Antropólogos), assumem-se textos não académicos e crónicas mais ou menos pessoais, como material devidamente fundamentado. O resultado é este: muitos adjectivos, misturas de conceitos, suposições e considerações supérfluas, com base em leituras “à la minute” que reproduzem frases ou ridículas ou ininteligíveis. Não perderemos muito tempo a dissecar as expressões “pedras antigas”, “locais sagrados e tumulares”, nem sequer as asserções sobre os “bons ares” do local e o possível sanatório que existiria no Campo, para tratamento da tuberculose que, de tão estapafúrdias, não merecem qualquer comentário. Tentaremos abordar, de forma sucinta (até porque não abundam as fontes históricas) e clara, a eclosão e a evolução do culto a São Pedro, no sítio do Campo, planalto hoje marcado pela disseminação incontrolável de aerogeradores eólicos, mas ainda um dos locais de destino (mais recreativo e menos religioso) de muitos cinfanenses e de outros visitantes.

 HISTÓRIA DA ERMIDA DE SÃO PEDRO DO CAMPO

Speech by ReadSpeaker