quinta-feira, 24 de março de 2011

Bibliografia cinfanense #10: Sinfaníadas.

Sinfaniadas_capa

 Sinfaníadas (capa)

Sinfaníadas é o título de um livro de poesias da autoria de João Baptista Pinto Saraiva (1866-1948) com ilustrações de Alberto de Sousa (1880-1961). Foi editado em 1938 pelo autor (sendo depositária a Livraria Bertrand, em Lisboa) e compõe-se de um proémio e quatro cantos formados por poemas decassilábicos, inspirados assim nas obras clássicas e renascentistas, fazendo, assim, jus à escola parnasiana a que pertencia João Saraiva. O livro abre com uma dedicatória ao Conselheiro Fernando Martins de Carvalho (1872-1947), uma das mais respeitadas figuras do Direito em Portugal durante o Estado Novo, sobre cuja família e casa de veraneio (a quinta de Santa Bárbara, em Cinfães) a obra disserta, intercalando sátiras aos costumes da época e à política, com notas mitológicas e laudações às gentes da terra e à fertilidade do território -«amena região onde em favor os deuses se esmeraram» (Proémio, II).
Durante os anos 30 e 40, primeiros decénios da Segunda República, Cinfães recebeu redobrada atenção por parte de algumas famílias de elite que nela possuíam solar, agora tornado habitação sazonal. Período em que a ideia de ruralidade consagrava o intrínseco espírito nacional, os chalets do Paço, em Fundoais, as casas da Castanheira e da Calçada em Oliveira do Douro, ou a quinta de Santa Bárbara junto à pequena vila de Cinfães, tornaram-se refúgio dos novos senhores do poder, ou a ele ligados, onde acorriam ilustres visitantes do regime, provenientes de Lisboa, de Coimbra ou do Porto, mau grado em redor daqueles solarengos redutos literários e tertulianos, grassar apenas a incultura temporal e espiritual. Foi a época do folclorismo, do pitoresco, do popular, por oposição às elites letradas que educavam o "povo" pelos trajes garridos, as cantas e as danças.
O livro descreve, aliás, esse clima tertuliano, guardado pelo «asilo de Santa Bárbara», ali transposto desde os botequins de Coimbra, decerto frequentados por ambos, poeta e conselheiro, a quem unia, ainda, o facto terem prestado serviços, quer à Monarquia, quer a República.
Embora seja uma obra do tipo laudatório, redigido como homenagem a um mecenas, homem das letras, da cultura e da jurisprudência, Sinfaníadas é uma valiosa obra poética e gráfica, repleta de pequenas e cuidadas aguarelas de Alberto de Sousa, um dos maiores e melhores ilustradores do seu tempo. Desde a imagem da capa, que representa o belo portão da quinta na vila de Cinfães, passando pelos barcos em Souto do Rio (p. 15), até à igreja de Escamarão, ou o canastro estampado na contra-capa (ícones e "bucolismos estado-novistas"), este opúsculo é um excelente documento sobre a forma como um certo conjunto de indivíduos via, fosse de Lisboa, ou de dentro dos muros de uma aristocrática quinta, o mundo rural português dos primeiros anos de uma longa ditadura.

SARAIVA, João, texto / SOUSA, Alberto de, ilust. - Sinfaníadas. Lisboa: [edição de autor], 1938.

Speech by ReadSpeaker