sábado, 8 de janeiro de 2011

Bibliografia cinfanense: As Memórias Paroquiais de 1758.


CAPELA, J. Viriato e MATOS, Henrique, coord. - As freguesias do Distrito de Viseu nas Memórias Paroquiais de 1758. Memórias, História e Património. Braga: [Universidade do Minho], 2010, ISBN: 978-972-98662-5-8. Preço € 60.


Tendo já saído em Agosto de 2010, não podemos deixar de salientar a importância desta obra para os estudos históricos locais e regionais, nomeadamente para o conhecimento do actual município de Cinfães, no século XVIII. Integrando um projecto que pretende transcrever e analisar todas as Memórias Paroquiais de 1758 de Portugal, este volume (o sexto) contempla o Distrito de Viseu. Foi editado pela Universidade do Minho, sendo o coordenador da obra, o Prof. Doutor José Viriato Capela. Entre a página 221 e a página 258 é possível ler cada uma das memórias produzidas pelos párocos das freguesias do actual município de Cinfães: Alhões (cura Manuel Pinto); Bustelo (sem assinatura); Cinfães (encomendado Heitor Cardoso) (nota 1); Ermida do Douro (Abade Luís Leite Lima); Escamarão (reitor António Pereira de Andrade); Ferreiros de Tendais (abade Manuel Antunes); Fornelos (abade Manuel José Carneiro Rangel); Gralheira (cura Manuel Rodrigues); Moimenta ( pároco José Diogo de Figueiredo); Santa Marinha de Nespereira (abade Abel Monteiro de Carvalho); Santo Erício de Nespereira (reitor Pedro Monteiro Coutinho); Oliveira do Douro (abade Baltasar Manuel de Carvalho Pinto Teixeira); Ramires (sem assinatura); Santiago de Piães (abade Manuel Ferreira da Silva); São Cristóvão de Nogueira (reitor José da Cunha e Gouveia); Souselo (abade Francisco Pereira de Carvalho); Tarouquela (reitor José Carlos de Morais Sarmento); Tendais (abade António Leite Pereira) (nota 2); Travanca (Jorge Garcês de Andrade).
Prós: A transcrição, ainda que depurada da ortografia original, é de fácil leitura; os índices e roteiros onomásticos e devocionais.
Contras: a organização por distrito e municípios pós-liberalismo que deturpa a paisagem administrativa contemporânea da fonte (1758); a actualização da ortografia; os ensaios históricos baseados na divisão diocesana actual; e a existência de bibliografia regional de apoio incompleta; o preço e o peso (o que impede um manuseamento prático...)

NOTAS:
1) Esta Memória fora já transcrita e publicada em GUIMARÃES, Bertino Daciano R. S. - Cinfães (subsídios para uma monografia do concelho). Porto: Junta de Província do Douro Litoral, 1954, pp. 187-203
2) Esta Memória foi transcrita por ROCHA, Arnaldo em "As memórias Paroquiais de 1758 de Santa Cristina de Tendais". Tendedeira, 4 (2004) 5-7. Curiosamente nenhum dos transcritores foi capaz de decifrar a letra do Abade António Leite Pereira no respeitante a uma das respostas do inquérito, a 13.ª quando se questionava sobre as capelas, ermidas e seus respectivos administradores. Quando chegou a vez da de São Pedro, no lugar da Granja, o abade respondeu que desta era administrador o Comendador da Hjlmida, ou seja, Ermida, referindo-se à Comenda de Nossa Senhora da Conceição da Ermida do Paiva a qual ficou como administradora dos bens daquele extinto mosteiro. 
Nota final: as respostas ao inquérito paroquial de Cinfães foram sendo publicados ao longo dos últimos 10 anos pelo escritor novelista Guido de Monterey, nas páginas do jornal Miradouro, mas sem qualquer enquadramento histórico ou devida sistematização. Cremos, por isso que a recém lançada obra da coord. do historiador J. Viriato Capela vem providenciar o manual de consulta e investigação que faltava.

Speech by ReadSpeaker